sexta-feira, 20 de março de 2009

tempo eu

Engraçado que, disso tudo, só fica a sensação.
A sensação de um futuro que viria a ser.

Me foge a imagem.
Me escapam os enganos.

É apenas a saudade que me ensurdece.
São os sentidos que invadem meus cantos.
E as palavras.

Mas o toque se esvai.
A espera já não existe.

Porque já não há mais tempo.

As sensações fluem,
sem sucessão.

E sou eu que passo,
sem perceber.

2 comentários:

BAR DO BARDO disse...

o tempo foge

ali

onde nos encontramos

L.G disse...

Muito lindo esse texto , minha poetisa!
Besos