segunda-feira, 8 de setembro de 2014

morada

posso construir nosso castelo?
nosso jardim, nossas aves,
nossa casa sem data pra voltar?

nossa grama pra cortar,
nossos espinhos.
meu sonho no seu
(nosso) caminho.

posso construir nossa morada?
nossa alvorada?
como aquela que distantes passamos juntos.
nosso rolar de chão, nosso sorriso.
construir nosso abrigo.

nosso vão entre os concretos
nosso rodar em traço reto.

construir suas linhas, suas cores
nosso sarau de amores.

nosso pensar em dó maior
nosso sol si mi ré lá
o nosso gargalhar.

posso construir você
em minha casa?
pra eu sair e nunca mais deixar?

posso construir você,
minha morada?
para ser sua
na morada
e sempre mais a mar.

Nenhum comentário: